Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/06/21 às 8h50 - Atualizado em 29/06/21 às 8h58

Vazio sanitário da soja tem início em 1º de julho no DF

COMPARTILHAR

 

 

Em 1º de julho inicia-se o vazio sanitário da soja no Distrito Federal. O período, que vai até 30 de setembro, é uma estratégia adotada no DF e em mais 13 estados brasileiros para o manejo da ferrugem asiática, doença mais severa da cultura da soja.

 

O objetivo do vazio sanitário é reduzir a sobrevivência do fungo causador da ferrugem asiática, atrasando ao máximo a ocorrência da doença nas lavouras ao longo do ciclo da cultura. Durante o período do vazio, não pode haver plantas vivas de soja nas áreas de produção, sejam elas semeadas ou voluntárias.

 

“As faixas de domínio das propriedades também são de responsabilidade dos produtores que, em geral, também as utilizam na produção”, destaca Gilson dos Santos, gerente de Sanidade Vegetal da Secretaria de Agricultura do Distrito Federal (Seagri-DF).

 

A doença pode diminuir muito a produtividade da soja. “A ferrugem asiática é uma doença causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi, sendo, hoje, uma das doenças que mais têm preocupado os produtores de soja. O seu principal dano é a desfolha precoce, impedindo a completa formação dos grãos, com consequente redução da produtividade, que podem chegar a 90%”, explica Gilson dos Santos.

 

Todos os anos a Seagri-DF realiza fiscalizações em campo para garantir que o vazio está sendo cumprido, e para identificar plantas vivas de soja voluntárias que não tenham sido eliminadas pelos produtores. “Esse tipo de planta espontânea tem origem na germinação de sementes ou grãos que sobram após a colheita ou que caem durante o transporte”, esclarece o gerente da Seagri-DF.

 

Os fungicidas são atualmente uma das grandes ferramentas para o controle da doença. No entanto, a redução da eficiência desses produtos e a carência de fungicidas de eficiência comprovada disponíveis no mercado vêm agravando o cenário da ferrugem asiática. Quanto mais tarde a doença venha a se manifestar ao longo do ciclo da cultura, menor a necessidade de uso de agrotóxicos por parte dos produtores.

 

“No Brasil, as ações estabelecidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e pelos órgãos estaduais de defesa agropecuária têm se mostrado efetivas para redução da ocorrência da ferrugem asiática, reduzindo os custos com controle químico durante o ciclo da cultura”, afirma a subsecretária de Defesa Agropecuária da Seagri-DF, Danielle Araújo.

 

A subsecretária da Seagri-DF destaca ainda que no Distrito Federal os resultados das fiscalizações dos vazios sanitários da soja têm sido muito positivos nos últimos anos, com redução do número de produtores que descumprem as medidas sanitárias previstas. “Esses resultados demonstram que os produtores estão cientes da necessidade e importância do vazio sanitário da soja, e que os esforços da Seagri-DF de divulgação e fiscalização da aplicação dessa medida ao longo dos anos têm sido de extrema valia para o seu fiel cumprimento”, ressalta Danielle Araújo.

 

Confira o vídeo da campanha do vazio sanitário da soja.

 

 

 

 

Texto: Ascom Seagri-DF

 

Vídeo e cards: Secom-DF