Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/09/19 às 15h04 - Atualizado em 18/09/19 às 15h08

Mapa recebe reunião do Conseagri

COMPARTILHAR

(Foto: Divulgação Mapa)

 

Foi realizada nesta terça-feira (17), no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), reunião do Conselho Nacional dos Secretários de Estado de Agricultura (Conseagri). Durante a reunião, foram tratados temas como, Cadastro Ambiental Rural Inteligente, regularização fundiária, peste suína clássica e africana, Sistema Brasileiro de Inspeção (Sisbi) e Selo Arte.

 

O ministro da agricultura interino, Marcos Montes, que prestigiou a reunião, disse que o Conseagri é uma peça fundamental, e que esse contato com os secretários é imprescindível para o Ministério saber da necessidade de cada estado. “Precisamos desse contato com os secretários e conversar sobre nossos projetos. Vocês secretários, junto com os governadores, devem levar esses projetos adiante. É muito importante buscar resultados para o país”, afirmou.

 

Já o assessor especial do Mapa, Danilo Forte, que conduziu a reunião, afirmou que os secretários nacionais do Mapa precisam ter uma presença mais forte nos estados, junto com os secretários estaduais, desatando nós, desburocratizando e dando oportunidades para quem quer trabalhar.

 

Aquicultura e pesca

 

Durante a reunião do Conseagri, o Secretário Nacional de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif, falou sobre o cenário da piscicultura e da aquicultura no Brasil. Segundo ele, é muito importante aumentar a produção e o consumo do pescado, inclusive, oferecendo na merenda escolar, pois, 80% dos aquicultores e piscicultores do país são produtores familiares ou de pequeno porte.

 

Ele ressaltou que o Brasil possui recursos hídricos em abundância, além de cerca de 9,2 mil km de litoral e que o consumo médio é de 10 kg/ano, sendo que a média mundial é de 20 kg. “Temos um enorme desafio de nos tornarmos grandes produtores e consumidores. O Brasil é um dos maiores importadores de pescados do mundo. O setor tem grande potencial de gerar emprego e renda”, afirmou.

 

O secretário de Agricultura do Distrito Federal (Seagri-DF), e secretário executivo do Conseagri, Dilson Resende, lembrou que o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) já determina que 30% da merenda seja oriunda da agricultura familiar, e no Distrito Federal, são adquiridos cerca de 35%, e ressaltou ainda a importância de introduzir a proteína do peixe na merenda escolar.

 

“A nossa piscicultura está crescendo muito. Então, porque não colocar na merenda escolar uma cota de proteína oriunda do peixe. Apesar de ser pequeno e todos acharem que é só a sede do poder, o DF tem uma agricultura bastante pujante, tanto na produção de grãos – com as maiores produtividades do país –  como na agricultura familiar.

 

Cadastro Ambiental Rural

 

Outro tema debatido no encontro foi o Cadastro Ambiental Rural (CAR). O diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Valdir Colatto, explicou que o SFB agora faz parte da estrutura do Mapa e que o CAR vai passar a ser monitorado pelo Ministério.

 

Ele destacou que é necessário desburocratizar o processo de pagamento, aos produtores rurais, pelos serviços ambientais prestados e que é importante existir um equilíbrio entre meio ambiente e produção rural, até mesmo para não inviabilizar as pequenas propriedades. “Estamos trabalhando dentro da Lei para fazer o ajuste ambiental, sem perder o processo produtivo. É muito importante que os secretários de estado assumam esse processo”, afirmou Colatto.

 

Peste suína e Selo Arte

 

O secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Leal, deu um panorama geral de como anda a questão da peste suína clássica no Brasil e da peste suína africana no resto do mundo. Ele falou das medidas que estão sendo adotadas pelo Ministério e os principais desafios no combate à doença.

 

Segundo ele, mais de 4 mil animais já foram sacrificados ou morreram por causa da doença e já foram gastos mais de 1,5 milhão em indenizações e no combate à peste suína. “É importante manter a vigilância e fazer a fiscalização da doença”, ressaltou Leal.

 

Selo Arte

 

Sobre o Selo Arte, o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa disse que o Selo não exime as pequenas agroindústrias das inspeções e das  fiscalizações e que os estados que irão decidir quais órgãos ficam responsáveis por essas inspeções. Ele também lembrou que não são todas as agroindústrias que poderão receber o Selo Arte. “É preciso trabalhar com esclarecimento. Não são todos que poderão ter”, explicou José Guilherme Leal.